Nossa História

Saiba como surgiu a ABM e das dificuldades enfrentadas para chegarmos ao que temos e somos hoje

Muito esforço, ação e união fizeram de um espaço abandonado, no condomínio que oferece lazer, conforto e segurança aos seus moradores.

 img123img126img117

O BOSQUE MARAPENDI

Os moradores dos condomínios que viviam ao redor do Bosque, através de muitas ações pressionaram e exigiram uma mudança de postura do poder público. Graças a toda essa pressão, o espaço abandonado pela prefeitura foi reinventado e pôde enfim ser revitalizado e urbanizado. Com isso a extinta construtora ENCOL atuou no reflorestamento do terreno plantando várias mudas, criando o belíssimo pomar que é até hoje.

Cerca de dez anos atrás os terrenos do Bosque eram precários e um morador do condomínio Porto Seguro, se lembra muito bem daquela época, quando veio morar com sua família na região: - "Era um matagal horroroso. Tínhamos medo de passar por ali, porque o número de pivetes e moradores de rua era muito grande. Meus filhos eram pequenos e tinham de evitar esse espaço".

Com o decorrer do tempo, os próprios moradores foram dando uma cara nova ao terreno e graças ao grande esforço destes, benfeitorias puderam ser incluídas, como pavimentações, brinquedos para as crianças e bicicletários. Calçadas também foram inseridas, assim como grama para os lugares onde antes só havia terra batida. Aos poucos outras melhorias foram sendo implantadas.

 

img115img116img121

FUNDAÇÃO DA ABM.

Como o espaço estava sendo urbanizado, os condomínios que começaram a crescer junto com as melhorias implantadas, sentiram necessidade de uma organização maior, sendo assim, os representantes legais de cada condomínio iniciaram uma luta pelos direitos e os interesses comuns dos moradores e em 1997, a Associação de Moradores do Bosque Marapendi foi fundada, tendo como seu primeiro presidente o senhor Adalsino Valentim Sampaio Gonçalves.

Com a criação da ABM, foi possível realizar aquilo que até então parecia ser impossível. Construir quadras poliesportivas e áreas de lazer que suprissem todos os moradores. Essas obras seriam feitas nas áreas que ainda continuavam abandonadas e que eram ocupadas pelo Stand da construtora ENCOL e pelo que sobrou de uma fábrica de cimento que existia na região. Essa solicitação inicial foi feita em uma reunião da ABM com o César Maia e Eduardo Paes e que logo foi oficializada pelo então prefeito Luis Paulo Conde.

O que pouco se sabe, é que a permissão para a utilização das áreas foi cedida a ABM a título precário, ou seja, a utilização permitida poderia ser a qualquer momento revogada. Com a permissão em mãos a ABM não perdeu tempo, iniciando por conta própria a reforma que resultou nas áreas aproveitadas atualmente pelos moradores, além da sede da entidade que também foi construída. A obra teve o custo aproximado em 800 mil reais, qu

e foi totalmente assumido e rateado entre os apartamentos dos condomínios envolvidos.

Toda essa iniciativa transformou a área em um amplo espaço planejado, bem cuidado, seguro, muito agradável e aberto para todos que quiserem dele usufruir. Um morador que caminha com seu filho pelo pomar explicou o que representa um lugar como este no condomínio.

"Costumo vir aqui caminhar, passar o tempo e colher frutas da época que enchem os galhos das árvores frutíferas existentes. Como essas goiabas, por exemplo. Para mim é uma bênção ter esse tipo de coisa perto da minha casa" afirmou o morador em quanto colhia algumas frutas.