O sistema de transporte de passageiros por fretamento desempenha um papel essencial na mobilidade dos moradores dos condomínios que fazem parte da ABM - Associação Bosque Marapendi, seja por motivos de trabalho, educação ou de lazer.

Pela sua importância, o transporte comunitário é o principal serviço oferecido pela ABM a seus associados. Ele é extremamente valorizado pelos moradores, usuários ou não do sistema, e é percebido como um ícone de conforto no caótico modelo carioca de transporte.

Por dentro do sistema

O sistema de transporte existe há 16 anos, desde 1998. Começou a funcionar antes mesmo da fundação da ABM. Atualmente atende a 26 condomínios de apartamentos, que somam 5.864 unidades. Conta com o fretamento de 30 ônibus, realizando 234 viagens diárias, de segunda a sexta-feira, sendo que 89 viagens com destino ao Centro, Botafogo e Tijuca. Diariamente, fora da Barra, o sistema oferta um total de 8.188 assentos e transporta em média 7.200 passageiros. Para dentro da Barra - linhas circular Barra e circular Shopping, oferta 1.242 assentos diários, transportando em média 800 passageiros. Cerca de 15.000 carteiras ativas estão em circulação. Cada viagem de um ônibus fretado significa aproximadamente quinze automóveis a menos nas ruas. Assim, o sistema de transporte da ABM contribui com a redução diária de cerca de 1.500 automóveis circulando nas ruas da cidade.

Grade de horário

O cumprimento do quadro de horário é uma questão fundamental para o bom funcionamento do sistema de transporte comunitário da ABM. Ele recebe influência, e até certo ponto é condicionado, por dois fatores que interferem diretamente no padrão de oferta proporcionado aos usuários. São eles: o congestionamento do trânsito e a grande concentração de usuários nos horários de pico. O problema do congestionamento nas vias da cidade e suas repercussões sobre o sistema de transporte da ABM têm sido amplamente debatidos aqui. Com os constantes congestionamentos a velocidade média dos ônibus diminui e consequentemente eles não conseguem chegar ao destino no horário previsto e cumprir a tempo a próxima viagem programada. Desta forma, para manter o mesmo serviço oferecido seria necessário aumentar o número de veículos da frota com impacto direto nos custos operacionais, o que não é desejado.

O quadro de horário é montado de modo que a oferta de assentos seja compatível com a demanda. A distribuição dos horários é consequência das viagens pendulares (domicílio-trabalho e trabalho-domicílio) que são as mais numerosas dentro do volume total da demanda. A concentração da demanda em poucas horas do dia (horas de pico) leva ao sistema a ter muitas viagens juntas num determinada faixa de horários.