Poesia - Um pouco depois - Sylvio Brasil

UM POUCO DEPOIS

Sylvio Brasil

Um pouco depois do amor

não fale comigo, por favor,

não me pergunte se foi bom para mim,

se gostei muito ou coisa assim.

Um pouco depois... preciso pensar...

ficar quieta, até a respiração acalmar,

sentindo aos poucos que a voz da razão

voltou a dominar o  meu coração.

Quero lembrar, de olhos fechados, feliz,

os mil beijos, as mil loucuras que fiz

com esse corpo que eu julgava conhecer

e que (ousado!) teima em me  surpreender.

Um corpo com vida própria, com luz,

que se exalta, que abriga, que seduz, 

que diz palavras que não aprendi

que faz coisas que nunca me atrevi.

Um corpo com pernas que enlaçam,

com mãos aflitas que agarram,

que se empolga, se agita, se aquece,

se abre, se une, estremece.

Por isso eu peço, meu bem,

fique quietinho também,

veja como estou serena, comovida,

oferecendo a Deus a minha vida.

Porque esse é o melhor momento

de agradecer com o corpo e o pensamento

a quem assim me fez e tudo dispõs:

um pouco depois do amor...  um pouco depois ...